Papa aos seculares: estar no mundo, mas imersos no coração de Deus
28/10/2017 - 14h54 em Novidades

 

 

Oração, discernimento, partilha, encorajamento e simpatia, são para Papa, meios de  ajudar missão dos seculares no mundo

Papa enviou mensagem para os participantes do Congresso dos Institutos Seculares Italianos reunidos neste final de semana /Foto: Arquivo CN

“Vocês não devem fugir do mundo, mas viver nele como presença evangélica transformadora, estar atentos ao mundo com o coração imerso em Deus”. Foi o que disse Papa Francisco, em mensagem para os participantes do Congresso dos Institutos Seculares Italianos que estão reunidos neste sábado, 28, e domingo, 29, em Roma por ocasião do 70° aniversário da Constituição Apostólica “Provida Mater Ecclesiae”.

A constituição apostólica, documento celebrado no encontro, foi escrito por Papa Pio XII, e foi o que definiu as antes denominadas “associações”, como Instituto de vida consagrada. Responsável pelo evento, a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, são compostas por leigos que vivem exteriormente como qualquer outro cidadão, mas que se submetem a formações para cooperarem para a santificação do mundo. Instituições que são consideradas ministérios pastorais, segundo Francisco.

O congresso, que tem como tema “Além e no meio: Institutos Seculares, histórias de paixão e profecia por Deus e pelo mundo”, envolve Instituições que tem como novidade e fecundidade, de acordo com Papa Francisco, a conjugação entre consagração e secularidade, com um apostolado de testemunho, evangelização (para os presbíteros) e compromisso cristão na vida social (para os leigos). A estes aspectos, o pontífice acrescentou a fraternidade que, sem ser determinada por uma Comunidade de vida, torna-se verdadeira comunhão.

Em conformidade com o documento, explicou o Santo Padre, os leigos são convidados a serem humildes e portadores apaixonados por Cristo e seu Espírito, do sentido do mundo e da sua história. Tal paixão, segundo Francisco, nasce pelo estupor, sempre novo, pela pessoa de Jesus, pelo seu modo único de viver e amar, de encontrar as pessoas, de dar a vida, de curar e levar conforto.

Por isso, para o pontífice, “estar no mundo”, não é uma condição sociológica, mas uma realidade teológica de presenças proféticas concretas, de pessoas que levam ao mundo a Palavra de Deus.

De acordo com o Papa, a postura dos leigos integrantes da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e das Sociedades de Vida Apostólica, tem como característica central a laicidade, definida pelo Santo Padre como o saber transmitir a Palavra divina ao mundo, transmitir o que Deus quer dizer ao mundo, agindo no mundo. Para Francisco, “dizer” não significa falar, mas “agir”, é a garra de não fugir do mundo, mas viver nele como presença evangélica transformadora. A vocação e missão dos membros Seculares, é definida pelo pontífice, como ato de atenção à realidade circunstante e, ao mesmo tempo, manifestação do mistério divino, ou seja.

 

Por fim, o Papa Francisco sugeriu alguns meios espirituais para ajudar os Seculares na missão pelo mundo: oração, discernimento, partilha, encorajamento e simpatia. E concluiu, sua mensagem explicando cada um destes meios: “oração” para estar unidos a Deus em seu coração; “discernimento” para distinguir as coisas essenciais das acessórias; “partilha” do destino de cada homem e mulher; e “encorajamento” a jamais perder a confiança, para serem livres e apaixonados, sendo sal e luz do mundo.

COMENTÁRIOS